Birigui

Histórico

História

Birigui foi fundada em 7 de dezembro de 1911 por Nicolau da Silva Nunes, nascido em Portugal em 1880 e chegado ao Brasil em 1892. Após estada no Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais, Nicolau vai residir em Sales de Oliveira, no Estado de São Paulo.

Em novembro de 1911, vindo de Bauru e Araçatuba, adquire na Chave (ponto de parada das locomotivas) denominada Birigui (daí a primitiva denominação), 400 alqueires de terras. Aí se fixando, tem por primeira morada com seus companheiros e para se proteger dos índios caingangues dois vagões da Estrada-de-Ferro Noroeste, obtidos em Bauru.

Um mês mais tarde, com a chegada de várias famílias, compradores de terras e agregados começa a crescer o vilarejo, que tem Santo Ambrósio por padroeiro. Matas são derrubadas e Silva Nunes constrói a primeira casa em área de encontro hoje das ruas Silvares, ex-Tiête, com a rua dos Fundadores. A esse tempo, três vezes por semana, um trem da Estrada de Ferro Noroeste, que lançara seus trilhos em 1908, faz parada na Chave de Birigui enfrentando não raro o ataque dos índios. Em 1912, conseguida por Rondon a paz com os caingangues, é fundada pelo coronel Manoel Bento da Cruz, proprietário de 30.000 alqueires de terras entre Birigui e Araçatuba, a Companhia de Terras, Madeiras e Colonização de São Paulo, cujo plano de povoamento se constituiria numa das principais forças do progresso do futuro município. As primeiras estradas de rodagem são abertas pela Companhia com 700 Km de penetração. Nessa época possuía Birigui apenas 30 ou 40 casas, quase todas de pau-a-pique. Esse número subiria a mais de 200, dois anos mais tarde, a maior parte de tijolos e cobertura de telhas, contando-se em torno de 1.000 o número de habitantes.

Em 1913, oito anos antes da formação como município, já se delineava a planta de Birigui, por iniciativa da Prefeitura de Bauru, de que era titular recém-eleito o coronel Manoel Bento da Cruz. Têm início as atividades agrícolas, avultando 5 ou 6 anos mais tarde a cafeicultura, bastante desenvolvida principalmente nas fazendas Água Branca e Silvares, que já possuiam 700.000 cafeeiros. Colhem-se anualmente 150 arrobas por mil pés. No auge da produção cafeeira, em 1927, Birigui embarca pela estação da Noroeste mais de 150.000 sacas de café, ficando a região, atrás apenas de Pirajuí e Lins.

Telégrafo e telefone se instalam pouco depois de 1914 e 1917 respectivamente. O progresso alcançado por Birigui já reclamava sua emancipação política. Assim é que, em junho de 1919, uma comissão constituída por James Mellor, Nicolau da Silva Nunes, Anor Garcia, Gentil Pinto Ferreira Coelho e Mário de Souza Campos se entrevista para tratar da questão, com o chefe político coronel Manoel Bento da Cruz.

No ano seguinte, por indicação do diretório político de Penápolis, o Deputado Luís de Toledo Piza Sobrinho apresenta à Câmara de Deputados o projeto nº 34, propondo a criação do Município de Birigui, determinada finalmente em 8 de dezembro de 1921 por Lei estadual promulgada por Washington Luís.

Nessa época, Birigui já possuia energia elétrica com inauguração da primeira unidade de 1.000 c.v. para iluminação também de Caingangue (Coroados), Araçatuba, Calmon, Legru e Glícério e aumento da rede de Penápolis. Pela Companhia de Força e Luz, à qual foi vendida a primitiva empresa, é instalada em 1926 a segunda unidade de 1.000 c.v., e em 1927 a terceira, de 2.000 c.v..

A primeira Câmara Municipal se instala a 19 de fevereiro de 1.922.

Economia

Birigui é a Capital Brasileira do Calçado Infantil. Localizada na região Noroeste do Estado de São Paulo, a cidade é movida pela indústria calçadista, sendo o polo de maior produção de calçados para crianças de todas as faixas etárias. Em 2012, as empresas geram 21.986 empregos diretos, produziram 244.250 pares de calçados por dia, o que gerou uma produção anual de 59,108 milhões de pares.

Além da indústria calçadista, Birigui também abriga indústrias moveleiras, metalúrgicas e têxteis e conta com um comércio forte, segmentos que movimentam a economia da cidade e que fazem com que ela seja conhecida pelo desenvolvimento. A cultura da cana de açúcar também é forte na região, com aumento significativo de atividades no ano de 2007. A intensa concentração de usinas e canaviais na região já indica uma mudança no cenário econômico.

Curiosidades

O nome Birigui tem origem na língua Tupi-Guarani e significa "mosca que sempre vem". Refere-se a um pequeno mosquito hematófago que é abundante na região, semelhante às moscas comuns, porém com um tamanho bem menor.

A cidade também é conhecida por "Cidade Pérola". Este outro nome foi dado por um jornalista de São Paulo, que veio a Birigui em 1934. Na visita, fez uma crônica social do aniversário de Roberto Clark no jornal "O Maribondo" e usou a expressão "desta Pérola da Zona Noroeste", se referindo à cidade.

Os padroeiros da cidade são Nossa Senhora da Imaculada Conceição e Santo Ambrósio.

Uma personagem ilustre do município foi Euclides Miragaia, estudante morto na Revolução Constitucionalista de 1932, no episódio conhecido como MMDC (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo )

Birigui tornou-se conhecida não só por sua excelência na produção de calçado infantil, mas também pelas comparações pejorativas feitas pelo programa humorístico Rockgol de Domingo. Os apresentadores Paulo Bonfá e Marco Bianchi sempre acharam o nome da cidade sonoro e se diziam nascidos em Birigui. Com o passar do tempo, as pessoas foram acreditando e os apresentadores passaram a denominar o município como a "Massachussets brasileira" e a exaltar o time Bandeirante de Birigui. Inventaram uma água mineral tirada em Birigui, a Birigui Booster e dizem que o campeonato Rockgol é jogado no "Monumental de Birigui", quando é no São Paulo Athletic Club, na capital. Em janeiro de 2005, Bonfá visitou Birigui, desfilou em carro de bombeiro e recebeu do prefeito a chave da cidade, que faz parte do cenário do RockGol de Domingo, junto com um leão de pelúcia do Bandeirante.

Um grupo musical paulistano, a banda Tubaína, ganhou notoriedade ao longo dos anos 1990 e 2000 por divulgar a cidade em quase todas as suas canções, sempre de modo positivo e bem humorado. Foi através das músicas desse conjunto musical que a produção do programa Rockgol de Domingo "conheceu" Birigui - fato reconhecido pela Câmara Municipal de Birigui em uma moção de agradecimento à banda Tubaína, publicada no início de 2005.

Em meados dos anos 1980, Birigui perdeu seu último cinema de rua, o grande e histórico Cine Peduti. O prédio foi comprado pelo seu vizinho recém-chegado, o Banco Itaú, que o demoliu para utilizar o espaço como estacionamento. A atitude causou muita comoção da população, que permaneceu sem um espaço cultural por décadas. Depois de quase 30 anos, o estacionamento ainda é visto como um "cinema sepultado" e praticamente nunca tem carros. A população nunca mais se esqueceu do Cine Peduti e há décadas reconta o triste fato para os visitantes da cidade.


Estatísticas

Área: 531 km²

População: 108.722 habitantes (Último Censo: 2010)

Densidade: 204,4 hab./km²

Altitude: 406 m

Clima: tropical Aw

Fuso horário: UTC-3

Localização